Daniel Craig diz que fama com 007 o fez se trancar em casa: ‘Estava maluco’

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Daniel Craig, 53, contou que o sucesso trazido ao viver o espião James Bond, na franquia 007, o fez sentir “física e mentalmente sob cerco”. “Minha vida pessoal foi afetada por ser tão famoso de repente. Eu costumava me trancar e fechar as cortinas, estava maluco”, disse o astro de Hollywood.

A revelação foi feita no documentário “Being James Bond”, da Apple TV +. “Eu não gostei do novo nível de fama. Foi Hugh Jackman quem me ajudou a aceitar o sucesso e a apreciá-lo”, contou Craig, se referindo ao astro que ficou mundialmente conhecido ao dar vida a Wolverine, um dos mutantes mais famosos da Marvel.

Ele admitiu que inicialmente relutou em aceitar o papel, dizendo que não saberia o que fazer com o personagem. “No que me dizia respeito, já era mais bem-sucedido do que jamais seria como ator”, relembra Craig. ‘Eu tinha feito filmes artísticos estranhos. Foi mais difícil de vender. E eu realmente não queria fazer 007. Eu pegaria o roteiro, leria e diria: ‘Obrigado, mas não’. Mas eu mal sabia, era Casino Royale. A história era sólida, o roteiro era sólido”.

Craig falou também sobre continuar filmando “007 Contra Spectre” (2015)”, mesmo tendo quebrado a perna durante as filmagens, em vez de interromper a produção enquanto se recuperava. O ator teve que usar uma ‘perna biônica’ durante grande parte da filmagem.

A produtora do longa, Barbara Broccoli, acrescentou que ele “mal conseguia andar” no set. A difícil experiência levou o astro a comentar que preferia “cortar os pulsos” a interpretar Bond novamente enquanto promovia o filme.

No entanto, ele foi persuadido a retornar pela última vez em “007 Sem Tempo Para Morrer”, o que o torna o ator com mais tempo de serviço na franquia. “Não quero continuar falando sobre como Spectre foi difícil, mas precisava de uma pausa. Eu precisava desligar”, disse ele.
“Eu realmente me senti psicologicamente muito velho no final daquele filme. Bárbara fez uma barganha difícil”, pontuou o ator, que fez um discurso de despedida para o elenco e a equipe do novo longa durante as filmagens e acrescentou que está orgulhoso de seu trabalho na franquia.

“Meu legado é o que é, mas é apenas parte de algo maior. Eu olho para os filmes e estou incrivelmente orgulhoso de cada um deles. Abandonar esta função não é fácil”, disse. “Eu posso ser tão descarado e blasé quanto eu quiser, mas ainda assim é difícil me afastar. E não se trata de dinheiro e fama”.

“Sou incrivelmente sortudo por ter sido capaz de fazer isso. Mas eu acho que está tudo bem agora [deixar o papel], e é porque fizemos esse filme”, finalizou se referindo a “007 Sem Tempo Para Morrer, que deve estrear em Londres dia 28 de setembro.

A data de lançamento do filme foi remarcada três vezes desde que a pandemia irrompeu, em março de 2020, já que cinemas de todo o mundo fecharam as portas e restrições sobre a capacidade de espectadores foram impostas.

No novo capítulo da saga, James Bond deixou suas atividades nos serviços secretos e, finalmente, desfruta de uma vida calma na Jamaica. Porém, sua tranquilidade é rapidamente interrompida quando seu velho amigo da CIA, Felix Leiter, vai procurá-lo e pedir sua ajuda.

Os filmes de Bond estão entre as franquias mais valiosas de Hollywood –”007 Contra Spectre” arrecadou US$ 880 milhões (R$ 4,5 bilhões no câmbio atual) nas bilheterias em 2015 e “007 – Operação Skyfall” rendeu mais de US$ 1 bilhão (R$ 5,2 bilhões) globalmente em 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *