Empresário diz que busca e apreensão era para sua esposa

O empresário Lindemberg Chaves, dono do laboratório Citolab, e que acordou nesta quarta-feira, 13, com a Polícia Federal na porta de sua casa, disse ao Ac24horas que o mandado de busca e apreensão cumprido pelos agentes não era para ele, mas sim para sua esposa, Antônia Ferreira. “Não havia nenhum mandado para mim, e sim para minha mulher”, afirmou.

Em nota enviada à imprensa, Lindemberg cita que entre a empresa da qual faz parte e o executivo municipal nunca houve nenhuma irregularidade na prestação de serviço. ” Voluntariamente prestei esclarecimentos sobre o caso e estou tranquilo quanto a esse assunto, pois em breve os fatos serão apurados, comprovando que não há qualquer envolvimento meu em supostas irregularidades, investigadas pela Polícia Federal”, ressaltou,  reafirmando que o compromisso com a legalidade das práticas administrativas e a correta contratação de serviços públicos e particulares, visando assegurar licitude e transparência em todos os contratos firmados.

Em entrevista à imprensa sobre a Operação Engalobados, os delegados da Polícia Federal de Cruzeiro, Fabrício Santos e Ana Carolina, disseram que dois contratos que somam R$ 1,8 milhão, firmados em março deste ano entre a secretaria municipal de Cruzeiro do Sul e 2 empresas  foram  fraudados. “As empresas forjavam a cotação. Faziam cotação antes mesmo do processo de dispensa e pediam que amigos enviassem cotação. Já tinha a empresa pré-determinada para ganhar”, relata a delegada Ana Carolina.

Treze mandados de busca e apreensão foram cumpridos no Acre e Goiás. Nove pessoas foram intimadas à depor na Polícia Federal, o que segundo o delegado Fabrício, vai esclarecer fatos que estão sob investigação. “Os crimes de  peculato e fraude a licitação foram comprovados e a investigação continua”, esclarece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *