Gaúcha Grag Queen é a vencedora da primeira temporada do Queen Of The Universe

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A brasileira Grag Queen se sagrou a vencedora da primeira temporada do reality da Paramount+ Queen Of The Universe. Ela concorreu com as colegas finalistas Ada Vox (San Antonio, EUA) e Aria B Cassadine (Atlanta, EUA).

No episódio final, já disponibilizado pela plataforma, é feito o anúncio de que a gaúcha é a campeã. Além do título de Rainha do Universo, ela fatura o prêmio em dinheiro de US$ 250 mil dólares (o equivalente a R$ 1,4 milhão).

“Estou tão realizada. Este título é o símbolo da conquista de um grande sonho, tenho certeza de que minha família e meu país estão orgulhosos de mim”, comemora Grag Queen.

“Não poderia deixar de mencionar a maravilhosa oportunidade de conhecer as drag queens mais talentosas e inspiradoras de todo o mundo ao longo dessa trajetória, parabéns a todas”, emenda ela.

Em seu último momento de competição no palco, Grag roubou os corações dos juízes e da audiência com uma performance marcante do hit “Rise Up”, de Andra Day. Grag Queen foi ovacionada e aplaudida de pé.

Semana após semana, a gaúcha mostrou todos os seus dotes vocais com apresentações memoráveis que passaram por “Rehab” da cantora Amy Winehouse (1983-2011), uma versão sensual de “Dream a Little Dream of Me”, de Doris Day, além de outras canções ao longo dos seis episódios.

Em entrevista recente ao site F5, Grag Queen afirmava que estar na competição era uma oportunidade de apresentar o Brasil e seus talentos para o mundo e mostrar o que é ser drag também.

Para ela, apesar de vir do país que mais mata LGBTQIA+, essa poderia ser uma oportunidade de unir as drags brasileiras e sua arte. “Estou me sentindo na Copa [do Mundo], indo buscar o hexa”, brincou.

Grag é natural de Canela, no Rio Grande do Sul, e afirmou que, apesar de sempre ter assistido Ru Paul’s Drag Race, atualmente suas principais referências eram nomes brasileiros como Gloria Groove, Pabllo Vittar e Kaya Conky. Além disso, ela disse que grande parte de sua rede de apoio vinha de seus familiares, que após algumas “estranhadas” hoje são seus maiores fãs.

“Nunca parei de pensar na minha família quando eu estava lá confinada”, afirmou em entrevista ao F5. As gravações foram feitas na Inglaterra durante o mês de outubro. “Sabemos que ser artista no Brasil não é uma coisa que dá certo de primeira, então é por eles, porque eles não desistiram de mim”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *