Vulcão que pode causar tsunami no Brasil dá sinal de atividade: 1ª vez em décadas

Adormecido há décadas, o vulcão Cumbre Vieja, localizado na costa do continente africano, tem preocupado autoridades locais nos últimos dias. Isso porque, recentemente, ele começou a dar sinais de atividade – e, caso isso siga evoluindo até uma erupção, é possível até que parte do Brasil seja afetada como consequência do fenômeno sísmico.pxhidalgo/iStock© pxhidalgo/iStock pxhidalgo/iStock

Vulcão sob alerta pode causar tsunami que chegaria ao Brasil

Vulcão bastante temido do Atlântico devido às possíveis consequências que uma erupção poderia causar inclusive para continentes vizinhos, o Cumbre Vieja está sendo atentamente observado por especialistas nos últimos dias.

Segundo o site meteorológico “Metsul”, autoridades espanholas elevaram o nível de alerta para uma possível erupção – e, se isso acontecer, um tsunami pode ser causado.

Durante seus muitos anos de inatividade, o nível de alerta designado ao Cumbre Vieja pelo Pevolca (Plano Especial de Proteção Civil e Atenção às Emergências de Risco Vulcânico das Ilhas Canárias) era o verde, primeiro de quatro estágios de atenção. Ao elevar este nível para amarelo, porém, as autoridades indicam a necessidade de uma ação preventiva devido a risco moderado de atividade vulcânica.

Além destes níveis, há ainda outros dois: o laranja, que indica alerta máximo para fenômenos que precedem uma erupção, e o vermelho, que implica emergência devido a uma erupção em andamento. Caso isso se concretize, especialistas têm hipóteses sobre consequências possivelmente catastróficas – e uma delas inclui todas as américas, afetando especialmente partes da costa brasileira.

Isso porque, se o Cumbre Vieja tiver uma grande erupção, o fenômeno pode desencadear um tsunami que afetaria qualquer área costeira banhada pelo Atlântico. Em um trabalho publicado em 2017, o pesquisador Mauro Gustavo Reese Filho, da Universidade Federal do Paraná, afirma que toda a costa brasileira – do Rio Grande do Sul ao Amapá – pode sofrer as consequências de um evento como este, e dois locais estão sob maior risco.Reprodução/Google© Reprodução/Google Reprodução/Google

“Toda a população costeira deve ser conscientizada, em especial do Norte e Nordeste do Brasil, pois seriam os principais afetados, e assim evitaríamos danos pessoais”, afirma, lembrando que, apesar de o risco ainda ser considerado baixo, ele ainda existe. “Estudos mais recentes dizem que as chances de ocorrência são remotas e longínquas, no entanto o estabelecimento de sistemas de alarme que possibilitam a evacuação das áreas é justificável”, conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *